3 chamadas para a coragem e o propósito

O que aprendi sobre aceitar minha imperfeição
28 de outubro de 2016
Prazer, meu nome é diferente
18 de novembro de 2016

Antes de lançar a nova versão do meu site, eu senti medo. Muito medo. Eu percebi que esse medo todo vinha de um sentimento de que está todo mundo prestando atenção no que estou fazendo e, portanto, vai chover julgamento no meu trabalho e na minha vida. Mas sabe de uma coisa? Esse é um sentimento um tanto arrogante. Tá todo mundo super preocupado com a própria vida. Entender que eu não sou o centro do mundo foi libertador. É o best-case scenario pra eu falar, desenhar, criar o que eu quiser.

Umas duas semanas atrás, eu assisti uma entrevista que me fez dar um basta nesse medo e lançar meu site. A entrevista foi essa aqui. Uma entrevista da Marie Forleo com o Seth Godin.

Basicamente, ele diz, bem direto ao ponto, coisas que eu já ouvi sendo ditas por várias outras pessoas, mas a ficha só caiu no meu pocinho de compreensão quando eu ouvi da boca dele.

Das várias coisas que ele diz na entrevista, as que falaram mais alto comigo foram essas três:

1. que ele bloga diariamente e ele fez um compromisso de blogar mesmo que ninguém lesse;

Ele fala da importância do comprometimento com aquilo que a gente acredita. É pela prática que a gente se torna bom em algo. Essa dica de fazer o trabalho movida por princípios em vez de movida pela apreciação dos outros me foi valiosíssima.

2. que o nosso objetivo não é atingir a todos, nosso objetivo é atingir a alguém, apenas uma pessoa;

Quando a gente perde a pretensão de agradar a todos, o nosso trabalho se torna muito mais prazeroso. E a conexão com o pequeno grupo de pessoas que pensa como a gente vai acontecer mais cedo ou mais tarde. Nem que esse grupo seja você + uma única pessoa. A conexão já basta em si.

3. que você precisa pressionar a campainha antes de saber a resposta.

Sabe aqueles jogos de televisão que os participantes têm que pressionar a campainha pra poder responder primeiro? Então, segundo o Godin, a maneira de ganhar o jogo é pressionando a campainha antes de saber a resposta. Primeiro pressiona, depois pensa na resposta. Isso é um paralelo com o trabalho que queremos pôr no mundo. Ao invés de passar dias, meses, anos, aprimorando a sua ideia, simplesmente lance-a mesmo sem ter certeza se está pronta. Feito é melhor que perfeito.

Eu estou usando o método da campainha agora. Me comprometi a postar meus desenhos um dia sim, um dia não mesmo sem saber se eu ia dar conta do recado. Me comprometi a blogar uma vez por semana da mesma maneira. E olha o que é interessante. Aqui estou eu cumprindo a minha promessa. Even if no one reads it.

 

Pra receber um resumo do que rolou por aqui mensalmente + surpresinhas no seu email, assina minha newsletter aqui.

“Our goal isn’t to touch everyone, our goal is to touch SOMEONE, just one person. If you get good at that, do 5, do 100. But stop worrying about everyone. Everyone doesn’t matter.” Seth Godin


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *